quarta-feira, maio 04, 2005

Meme



Sei que o Código da Vinci já é assunto velho, mas vira-e-mexe ainda me impressiono com o fenômeno.

Desde o começo do ano, tenho pegado o metrô pelo menos 2 vezes por semana. E posso jurar que em praticamente todas as viagens sempre encontro a Gioconda estampando aquele grande tijolo vermelho .

Invariavelmente, são sempre garotas que carregam o livro. As pistas ainda estão se encaixando. Mas suspeito que exista algo obscuro entre Dan Brown, Leonardo da Vinci e a chave de entrada da intrincada psique feminina.

5 comentários:

Marilia disse...

Oi, tudo bem?
Cheguei aqui através do Scream & Yell, estava lendo o que vc escreveu sobre Diários da Motocicleta, até peguei um trecho e copiei no meu blog, mencionando minha fonte, claro. Gostei também do seu Diário de Viagem, que ainda não li todo, mas gosto do modo como vc escreve.Bom, antes que me repita demais,realmente quem entende a psique feminina? Sabe que li esse livro e gostei? um abraço!

Cazita disse...

Drex, existe mesmo alguma ligação entre a Revista Nova e a psique feminina? Porque se houver, eu tenho muito medo. Será que tudo se resume às 87975648 maneiras de proporcionar um orgasmo enlouquecedor ao homem e, assim, prendê-lo para sempre (a Nova reinventa a "chave de b..." toda edição, pelo que me parece)? E eu, que li "o Código da Vinci" fico também me perguntando se por trás de todo aquele papo de Santo Graal e paradinhas existia uma mensagem decodificada de "agrade seu macho". Pô, fiquei confusa.

drex disse...

O Millor Fernandes, numa de suas últimas colunas na Veja, trouxe uma opinião interessante: ele diz que o Código é um livro pra lá assexuado. Não há nele sinal de sacanagem, atração, desejo, rala-e-rola, nada. A trama seria um roteiro turístico totalmente asséptico.

Isso torna nosso mistério ainda mais nebuloso: por que tantas meninas atraídas por um detetive tão casto, meu Deus??

Gravata disse...

Essa é sua idéia de que as meninas pegariam um livro para mexer com a libido, e não para ler uma história.

O livrot em uma trama super bacana, sem bobagens psicológicas nem lengalenga de qualquer gênero.

Erra um pouco, mas acerta em todo o resto.

E foram justo os mais assexuados que mais falaram mal do livro, repare entre amigos, conhecidos, cronistas e autores; talvez porque só gozem pelos livros.

Recalque.

drex disse...

Eheh... boa teoria, Gravatex...

Intelectuais e carolas conservadores realmente não tem fama de vida sexual muito ativa :-)