sexta-feira, agosto 05, 2005

Das profecias



Nestes momentos turbulentos, antes de dar qualquer opinião acho bom deixar algumas coisas claras. Votei no Lula em 2002. Não sou, nem nunca fui, militante ou partidário do PT, mas já votei muitas vezes em candidatos do partido. Celso Daniel, em Santo André. Hélio Bicudo e Suplicy para o Senado. José Genoíno e José Dirceu, vejam só. No entanto, nunca tive fidelidade ideológica (um conceito um tanto limitador, afinal).

Chegar até o voto em Lula, porém, não foi para mim um processo fácil. Já tive minha fase PSDB, já fui admirador do Mário Covas e do Montoro. Em 94, fui de FHC. Em 98, já decepcionado com a promiscuidade governista tucana, optei pelo Ciro Gomes. Só em 2002, finalmente, tive a coragem de votar no Sr. Luiz Ignácio da Silva. Pareço ter feito o caminho contrário da maioria - quanto mais velho, mais progressista. Ou talvez, muito mais provavelmente, foi o PT que em 2002 já não oferecia mais tanto terror ao meu progressismo de boutique.

Tudo isso para contar uma coisa. Pouco antes das últimas eleições para presidente, eu discutia com meu pai, um daqueles conservadores pragmáticos que ainda defendem o Maluf, sobre os possíveis prós e contras do já então bastante provável governo do PT. O medo aos vermelhos, àquela altura, já estava bastante dilúído, até mesmo na cabeça do meu velho. Nossa discussão baseava-se em outro ponto - o que, afinal, aquela mudança poderia trazer de melhor para o país.

Depois de muitos minutos de idealismo hesitante, tasquei a cartada final: "No pior dos mundos, mudam-se os ladrões. Isso não deixa de ser distribuição de renda".

Aquela profecia revelou-se acertada pela metade. Alguns dos ladrões, enfim, ainda continuam os mesmos.

8 comentários:

Paulo Polzonoff disse...

Nestas horas dá vontade de dizer:

Eu já sabia!!!

Mas dá medo de as pessoas levarem a sério. Espero que vc não leve.

Abs

drex disse...

Não pisoteie a desilusão, Paulo ;-)

Pois é... o problema agora é saber o que fazer quando, ao se separar o joio do trigo, não sobrar quase nada que se aproveite.

Um abraço!

Du disse...

Final de semana que vem estou aí. Acho! :)

Beijão para você e para a Má. Ah, tenho uma foto linda de vocês do meu aniversário. Vou mandar para o seu e-mail, ok?

Rafael Martín disse...

Voltaste a escrever, colega? Bom saber, não havia notado. Voltarei a conferir sempre.

Saudações.

ludovico disse...

Em casa, o petista ferrenho é meu pai. Ele é jornalista e mora numa cidadezinha do interior dominada por umas famílias desonestas há décadas. Ficou muito feliz com a vitória do Lula. E agora está realmente desorientado, alternando-se entre o discurso bolchevique de que é "tudo armação" e a inevitável melancolia. Eu peço pra ele ler um livro, alugar uns filmes. Mas ele não quer. Fica só lendo e assistindo jornais.

Damn Lula.

Abraço,

Anônimo disse...

Tente olhar o governo Lula mais no detalhe. Olhe também o governo da Marta em SP. Agora olhe o de Covas, Geraldo, Serra, Aécio, FHC. Você ainda acha que esses ladrões são os mesmos? Pois eu não acho. Acho que o FHC deixou muito a desejar no segundo mandato, mas acredito que foi melhor que o do Lula está sendo e que, se o Serra tivesse ganho, estaríamos melhor que agora. O PT está mostrando que a dupla Maluf/Pitta eram café bem pequeno. E não venha me falar que estamos bem com o Palocci que a economia brasileira será a ante-penultima em termos de crescimento esse ano na America Latina.

Eduardo Cancian disse...

Companheiro Drex. Esqueci de assinar o comentário acima.
Abraço e obrigado pelos CDs.

gabriela tatsumi disse...

Drex, queria dizer "muito legal o seu blog" mas diante da qualidade do texto fiquei acanhada. Parabéns pelas riqueza do texto e a honestidade da opinião.